.comment-link {margin-left:.6em;}

quinta-feira, março 03, 2005

 

181 - BORGES Y YO

Com a leitura do Abrupto, de José Pacheco Pereira, fui reencaminhado para o Bomba Inteligente (que também leio com regularidade), e onde pode encontrar-se um admirável e célebre texto de Borges (Borges y yo), imaginem... lido pelo próprio Borges.
Que emoção...
Não resisto a tentar multiplicar aqui a sua leitura e audição.
Vale a pena.
Eu já tinha, há mais de um ano, chamado também a atenção para este texto de Borges, a propósito da existência em português de uma outra versão, da autoria de Ruy Belo - esta, a reproduzida no Bomba... é do também poeta Fernando Pinto do Amaral.
Aqui a deixo também, para enriquecer a leitura.
Mas sobretudo acompanhem-na ouvindo o próprio Borges, e insistam com a Bomba Inteligente para que não apague a versão sonora, deixando o link no post onde colocou o texto.
BORGES Y YO
Deste texto existem portanto duas versões em português: a primeira, cronologicamente, da autoria de Ruy Belo, in Jorge Luis Borges, Poemas Escolhidos, Pub. Dom Quixote, 1971 e 2003 (ed. bilingue); a segunda de Fernando Pinto do Amaral, incluída no vol. II das Obras Completas de Jorge Luís Borges, Teorema, 1998.
Borges está bem em qualquer das versões. Aqui fica então a de Ruy Belo. A outra fica no blogue Bomba Inteligente.
É ao outro, a Borges, que acontecem as coisas. Eu caminho por Buenos Aires e demoro-me, talvez já mecanicamente, a olhar o arco de um alpendre e o guarda-vento; de Borges tenho notícias pelo correio e vejo o seu nome num grupo de professores ou num dicionário biográfico. Gosto dos relógios de areia, dos mapas, da tipografia do século XVIII, do sabor do café e da prosa de Stevenson; o outro compartilha dessas preferências, mas de um modo vaidoso, que as converte em atributos de um actor. Seria exagerado afirmar que as nossas relações são hostis; eu vivo, eu deixo-me viver, para que Borges possa tecer a sua literatura e essa literatura justifica-me. Nada me custa confessar que conseguiu certas páginas válidas, mas essas páginas não me podem salvar, talvez porque o que é bom já não é de ninguém, nem sequer do outro, mas sim da linguagem ou da tradição. Além do mais, eu estou destinado a perder-me, definitivamente, e apenas algum instante meu poderá sobreviver no outro. A pouco e pouco vou cedendo-lhe tudo, embora não desconheça o seu perverso costume de falsear e de magnificar. Spinoza entendeu que todas as coisas querem perseverar no seu ser; a pedra quer eternamente ser pedra e o tigre um tigre. Eu hei-de ficar em Borges, não em mim (se é que sou alguém), mas reconheço-me menos nos seus livros que em muitos outros ou que no laborioso zangarreio de uma viola. Há anos procurei libertar-me dele e passei das mitologias do arrabalde aos jogos com o tempo e com o infinito, mas esses jogos são agora de Borges e terei de idealizar outras coisas. Assim, a minha vida é uma fuga e perco tudo e tudo é do esquecimento ou do outro.
Não sei qual dos dois escreve esta página.

Comments:
O texto é absolutamente fantástico. Parabéns, pois não vos passou despercebido.
 
Hello,

I am searching for fresh information
for my cc Infopage, 30,000 daily updated Information Pages about all kind of subjects.

It might interest you to know that your blog has been visited and has been read. I hope you enjoy your "Blogging".

I wish you all the luck I can, keep the good work going!

Kind regards,
Jos
Today's News From & About Google
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home